sábado, 11 de agosto de 2012

Colo de mãe


Colo deixa o bebê mal acostumado?
Pode-se dar colo sempre que a criança chorar?
O colo é um jeito inteligente que a natureza inventou de dar ao bebê conforto e amor, do mesmo jeitinho que era dentro do útero. É isso mesmo, quando seguramos um recém-nascido no colo, damos contenção, segurança, calor, e o bebê tem a possibilidade de ouvir bem de pertinho aquele som tão conhecido – o coração da mamãe.
Por isso ele pára de chorar.
O que caracteriza o nascimento de uma criança é o corte do cordão simbiótico, mãe para um lado, bebê para outro. Esse é o parto fisiológico.
Mas a mulher leva um tempo para lidar com isso, para entender que seu filho nasceu, durante algum tempo ainda sente falta da barriga e de estar grávida. Com o bebê é a mesma coisa: ele ainda não sabe que nasceu e leva de 3 a 4 meses para começar a entender que toda vez que chora, a mãe vem de fora para atendê-lo. Sua fantasia inicial é de que ele mesmo "resolve" todos os seus problemas: cada vez que chora, a fome, o frio e a dor vão embora .
Portanto, podemos abusar do colo durante os primeiros meses, até mesmo porque daqui a muito pouco tempo ele vai para o chão brincar e dificilmente retorna ao colo.
Mas segurar seu filho no colo exige técnica, não é de qualquer jeito. Ele precisa estar bem aconchegado, confortável, seguro, mas sem estar apertado, próximo a mãe. É importante que exista o contato olho no olho; o recém-nascido precisa ver a sua mãe, pois é para ela que vai sorrir pela primeira vez e é dela que vai receber seu sorriso de resposta, tão importante para estabelecer sua primeira forma de comunicação que vai determinar sua relação com as pessoas pelo resto da sua vida. Criança que sorri e não recebe o sorriso resposta da mãe, desiste...
Bebê que chora no berço está solicitando ajuda, não necessariamente quer colo, às vezes só uma palavra de conforto, uma mão amiga para tocá-lo....
Dar colo ao seu filho é dar amor. É ensinar a primeira e a mais importante forma de comunicação dos seres humanos: afeto.
Abraçar é aceitar, é uma forma de dizer o quanto ele é bem-vindo, amado e desejado .
Através do colo você pode plantar a semente de um mundo mais compreensivo e humano.
Clarice Skalkowicz Jreissati

O maior brasileiro de todos os tempos


Clique na foto para conhecer sua História

terça-feira, 5 de junho de 2012

Dicas para seu desenvolvimento humano

"Quando uma pessoa estiver agindo de modo autodestrutivo, em conflito, é preciso descobrir de que tipo de Carícia ela está precisando" Na sua luta diária pela sobrevivência, parece que é impossível viver bem com as pessoas que você ama. Ninguém dá atenção a ninguém.

Ninguém mais diz: “Puxa, como você é importante para mim”. E é aí que começam as carências, começam os conflitos.

No início de meu treinamento em Análise Transacional, tive a honra de aprender com um dos maiores especialistas da área: Cecílio Khermam. Certa vez, ele disse uma frase que ficou para sempre em minha memória: “Quando você não estiver entendendo o que está acontecendo com alguém, pense em termos de Carícias”. Assim:

• Um adolescente pode usar drogas como forma de dizer aos pais: “Preciso de sua atenção”.

• Uma jovem tem atos de rebeldia por talvez estar precisando de alguém que lhe diga: “Você é muito inteligente”.

• Um universitário que vive estressado para tirar a nota máxima pode estar sofrendo da necessidade de que alguém lhe fale: “Eu amo você independentemente da nota que você tirar”.

• Um chefe que para de falar com o subordinado pode estar dizendo: “Eu me sinto desvalorizado porque você está sempre atrasado”.

• Um funcionário exemplar que começa a atrasar pode estar dizendo: “Eu não me sinto importante aqui”.

• Uma pessoa que se tranca no quarto para ficar horas na internet pode estar totalmente incapaz de criar um vínculo afetivo pessoal.

• Um pessoa casada que busca sexo virtual em sites de relacionamento pode estar procurando a satisfação que não encontra em casa.

• Uma mulher linda que começa a ficar desleixada pode estar precisando ser vista como competente.

• Um marido que perde o desejo pela esposa pode estar dizendo que não se sente mais amado.

• Uma mãe com crise de alergia sem uma causa aparente pode estar dizendo que sente falta de carinho.

Quando alguém, em qualquer lugar, tiver um comportamento que não faz parte do seu jeito de ser, pode estar falando bem alto: “Preciso me sentir importante para você!”. Se fala alto e não é ouvido, começa a gritar. Se não recebe nada em troca, fica afônico. Tudo isso para chamar a atenção e pedir a sua atenção e o seu reconhecimento.

O corpo perde o viço, o olhar perde o brilho. A pessoa não consegue se sentir importante para quem ama ou quem considera importante e admira.

Quando uma pessoa estiver agindo de modo autodestrutivo, em conflito, é preciso descobrir de que tipo de Carícia ela está precisando.
A Carícia certa para ela será a sua Carícia Essencial.

Descobrir e dar a Carícia Essencial de que esse indivíduo precisa é a melhor maneira de esvaziar o comportamento distorcido dele, fazer com que ele volte ao eixo. E, sem dúvida, é a melhor maneira de ajudá-lo.

Essa orientação do meu professor me ajudou demais a ajudar muita gente. Vejo que neste mundo de cobranças desumanas as pessoas precisam, mais do que nunca, se sentir importantes e reconhecidas naquilo que fazem de melhor.

Quando esses sintomas aparecem, é hora de você agir, de sair do próprio umbigo e olhar para o outro com generosidade, e descobrir como você pode ajudá-lo a ser feliz.

Neste mundo, está fácil dar todo tipo de presente, do eletrônico que o filho pede a rosas para a mulher que se quer conquistar. O que não se encontra facilmente é alguém que nos ajude a nos sentirmos especiais.

E você pode ser essa pessoa na sua família, no seu trabalho, na sua roda de amigos. Você pode fazer a diferença e viver bem com aqueles que ama, com as pessoas que são realmente importantes para você.

Pense sobre!

Roberto Shinyashiki

Fonte

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Dez mandamentos para nunca mais se individar

O endividamento é o vilão do orçamento de qualquer pessoa, perder o controle das contas ou cair na inadimplência, pode atrasar os sonhos e os projetos de muitas famílias.

Confira quais são:
  1. Fazer o diagnóstico financeiro anualmente- é importante para saber o impacto dos seus gastos.
  2.  Ter no mínimo três sonhos (curto, médio e longo prazo) – os sonhos devem ser discutidos junto com a família.
  3.  Elaborar um orçamento financeiro – deve ser feito priorizando os sonhos, ou seja, trace o que ganha, mais os sonhos, mais o que se gasta mensalmente.
  4.  Poupar mensalmente o que ganha para os sonhos – crie o hábito de reservar parte do seu salário para realização dos sonhos, esse dinheiro pode ser aplicado na poupança ou em algum outro tipo de investimento.
  5.  Gastar menos do que ganha – planeje seus gastos; sempre que você fizer compras se pergunte se você pode deixar isso para amanhã, isso evita gastos desnecessários.
  6.  Ter limites de cartão de crédito inferiores aos seus rendimentos – o limite ideal para o cartão é de 50% do sue salário, isso garante que você poderá arcar com sua fatura no final do mês.
  7.  Não usar cheque especial, se possível não ter – o uso do cheque especial já é um sinal de que você gastou mais do que devia, então é mais saudável ter uma reserva para futuras emergências. 
  8.  Manter reservas para situações emergências – quando você mantém uma reserva financeira você evita o uso do cheque especial ou empréstimos, essa reserva não pode ser a mesma do dinheiro poupado para os sonhos.
  9.  Distinguir o que é essencial do que é supérfluo – veja seus gastos mensais e avalie o que pode ser cortado, com atenção você pode gerar uma economia de até 30%.
  10. Comprar sempre à vista e com desconto – está é a regra básica para não cair no endividamento. Na hora de comprar aquele televisor que você tanto deseja, trace uma meta de quanto você precisa economizar por mês para comprar à vista. 
Você deve fugir ao máximo dessa facilidades de crédito, como cheque especial. “E um vilão nas mãos de quem não tem educação financeira”. Comprar por impulso também é um ofensor muito grande para o consumidor. “ Você acaba comprando aquilo que você não sonhava, com o dinheiro que você não tinha para impressionar que você, muitas vezes, nem mesmo conhece”

Com relação aos sonhos, o de curto prazo geralmente deve ter uma meta de um ano, o de médio, prazo até dez anos; e o de longo prazo, acima de dez anos.



Bem agora é colocar em pratica os dez mandamentos e tirar o melhor proveito da situação.

fonte: InfoMoney

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Para refletir


ESTAMOS EM UM MUNDO  MODERNO  E COM MUITAS COISAS CONFORTAVEIS E NOVAS.
PEÇO APENAS QUE LEIA  ESTE E-MAIL E DEIXE SUA CONSCIENCIA AGIR .
O UNIVERSO  É EXATO !
ENCARREGAR-SE-Á  DO  DESTINO!

Nem sempre o prêmio é atribuído a quem mais o merece...
Uma senhora de 98 anos chamada Irena Sendler faleceu há pouco tempo.
Durante a 2ª Guerra Mundial, Irena conseguiu uma autorização para
trabalhar no Gueto de Varsóvia, como especialista de canalizações. Mas
os seus planos iam mais além... Sabia quais eram os planos dos
nazistas relativamente aos judeus (sendo cristã e alemã!).
Irena trazia crianças escondidas no fundo da sua caixa de ferramentas
e levava um saco de sarapilheira na parte de trás da sua caminhoneta
(para crianças de maior tamanho). Também levava na parte de trás da
caminhoneta um cão a quem ensinara a ladrar aos soldados nazis quando
entrava e saia do Gueto. Claro que os soldados não queriam nada com o
cão e o ladrar deste encobriria qualquer ruído que os meninos pudessem
fazer.
Enquanto conseguiu manter este trabalho, conseguiu retirar e salvar
cerca de 2500 crianças.
Por fim os nazistas apanharam-na. Souberam dessas atividades e em 20
de Outubro de 1943 Irena Sendler foi presa pela Gestapo e levada para
a infame prisão de Pawiak, onde foi brutalmente torturada. Num colchão
de palha encontrou uma pequena estampa de Jesus Misericordioso com a
inscrição: “Jesus, em Vós confio”, e conservou-a consigo até 1979,
quando a ofereceu ao Papa João Paulo II.
Ela, a única que sabia os nomes e moradas das famílias que albergavam
crianças judias, suportou a tortura e negou-se a trair seus
colaboradores ou as crianças ocultas. Quebraram-lhe os ossos dos pés e
das pernas, mas não conseguiram quebrar a sua determinação. Já
recuperada, foi no entanto condenada à morte. Enquanto esperava pela
execução, um soldado alemão levou-a para um "interrogatório
adicional". Ao sair, gritou-lhe em polaco: "Corra!".
Esperando ser baleada pelas costas, Irena contudo correu por uma porta
lateral e fugiu, escondendo-se nos becos cobertos de neve até ter
certeza que não fora seguida. No dia seguinte, já abrigada entre
amigos, Irena encontrou o seu nome na lista de polacos executados que
os alemães publicavam nos jornais. Os membros da organização Żegota
("Resgate") tinham conseguido deter a execução de Irena subornando os
alemães, e Irena continuou a trabalhar com uma identidade falsa.
Irena mantinha um registo com o nome de todas as crianças que
conseguiu retirar do Gueto, que guardava num frasco de vidro enterrado
debaixo de uma árvore no seu jardim.
Depois de terminada a guerra tentou localizar os pais que tivessem
sobrevivido e reunir a família. A maioria tinha sido levada para as
câmaras de gás. Para aqueles que tinham perdido os pais ajudou a
encontrar casas de acolhimento ou pais adotivos.
Em 2006 foi proposta para receber o Prêmio Nobel da Paz... mas não foi
selecionada. Quem o recebeu foi Al Gore por sua campanha sobre o
Aquecimento Global. (sem comentários)
Não permitamos que alguma vez esta Senhora seja esquecida!!
Estou transportando o meu grão de areia, reenviando esta mensagem.
Espero que faça o mesmo.
Passaram já mais de 60 anos, desde que terminou a 2ª Guerra Mundial na
Europa. Este e-mail está sendo reenviado como uma cadeia comemorativa,
em memória dos 6 milhões de judeus, 20 milhões de russos, 10 milhões
de cristãos (inclusive 1.900 sacerdotes católicos ) 500 mil ciganos,
centenas de milhares de socialistas, comunistas e democratas e
milhares de deficientes físicos e mentais que foram assassinados,
massacrados, violados, mortos à fome e humilhados, com os povos do
mundo muitas vezes olhando para o outro lado.
Agora, mais do que nunca, com o recrudescimento do racismo, da
discriminação e os massacres de milhões de civis em conflitos e
guerras sem fim em todos os continentes, é imperativo assegurar que o
Mundo nunca esqueça. Gente como Irena Sendler, que salvou milhares de
vidas praticamente sozinha, é extremamente necessária.
A intenção deste e-mail é chegar a 40 milhões de pessoas em todo o mundo.
Una-se a nós. Seja mais um elo desta cadeia comemorativa e ajude a
distribuí-la por todo o mundo. Por favor, envie este e-mail às pessoas
que conhece e peça-lhes que não interrompam esta cadeia.. "A razão
pela qual resgatei as crianças tem origem no meu lar, na minha
infância. Fui educada na crença de que uma pessoa necessitada deve ser
ajudada com o coração, sem importar a sua religião ou nacionalidade."-
Irena Sendler

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Finanças Comportamentais

Quando uma pessoa vai comer um sanduíche no fast-food o atendente pergunta se gostaria de um refrigerante pequeno, médio ou grande. Esta escolha aparentemente inocente esconde uma armadilha.

As pessoas acham exagerado optar pelo tamanho maior, mas a opção pequena também não é muito agradável e a escolha recai para o tamanho médio.

Este mesmo tipo de escolha ocorre quando um consumidor vai comprar um automóvel. As opções variam de um modelo simples, sem nenhum opcional, até um modelo mais sofisticado, com muitos adicionais, alguns de utilidade questionável. Mas o consumidor pode escolher modelos intermediários, com alguns opcionais.

Novamente a decisão do modelo do automóvel esconde a mesma armadilha do refrigerante do fast-food. Em ambos os casos são oferecidas diversas opções, para induzir o consumidor a escolher a alternativa intermediária, evitando que a opção seja pelo produto mais barato.

Tanto a rede de alimentação quanto a montadora colocam nas alternativas um padrão extremo para induzir o consumidor por um produto intermediário.

Este tipo de armadilha tem sido objeto de estudo por parte da chamada finanças comportamental.
Breve introdução sobre Finanças Comportamentais

No passado, a teoria que estudava as finanças partia do suposto de que as pessoas eram totalmente racionais. Esta simplificação do ser humano foi muito útil para desenvolver alguns conceitos importantes.

Entretanto, a partir da década de setenta, alguns cientistas começaram a perceber que as pessoas não são racionais. Mais ainda, que o próprio mercado, denominado de eficiente pelos estudiosos de finanças, não funcionava sempre de maneira perfeita.

Os estudos começaram a perceber que existiam situações onde predominava a irracionalidade. Estes estudos muitas vezes criavam situações para mostrar que o ser humano é influenciado pelas opções que são apresentadas, como é o caso do refrigerante e do automóvel.

As descobertas obtidas pelas finanças comportamentais continuaram a acontecer ao longo dos últimos anos.

Hoje sabemos que o mercado acionário pode ser influenciado pelo resultado do futebol ou pelo clima que acontece lá fora. Conhecemos que as pessoas possuem um grande apego aos seus bens, mais do que deveria. Que preferimos não perder a ganhar quando fazemos um investimento. E assim por diante.

Conhecer finanças comportamentais ajuda a escapar de armadilhas. Talvez na próxima vez que você for a um fast-food sua decisão será pelo copo de refrigerante pequeno, não pelo médio.
Leitura complementar

Existem em língua portuguesa diversos livros e artigos sobre finanças comportamentais. Para começar a aprofundar no assunto sugerimos os dois livros de um pesquisador chamado Dan Ariely: Previsivelmente Irracional e Positivamente Irracional. São livros de fácil leitura e que deve agradar a todos.

Fonte

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Cursos Gratuitos FGV



FGV On line

8 MANEIRAS DE ECONOMIZAR SE TEM FILHOS

Especialistas em educação financeira ensinam como gastar sem comprometer o estilo de vida da família.
Pode acreditar: filhos e economia combinam. Se os pais tiverem disciplina e comprometimento com o orçamento doméstico, não é difícil conseguir poupar um pouco de dinheiro no fim do mês, mesmo com crianças em casa.

Veja quais as maneiras de economizar:
  1. Aprenda (e ensine) a fazer escolhas. Comprar um brinquedo novo ou economizar para fazer uma viagem em família no fim do ano? Alguns pais não conseguem fazer escolhas quando se trata dos filhos e acabam dando tudo o que eles desejam.
  2. Não tenha medo da reciclagem. O vestido ficou pequeno? Que tal reformá-lo e fazer uma saia? Reaproveitar roupas e brinquedos representa uma grande economia para quem tem filhos.
  3. Desfrute de cultura gratuitamente. Programas culturais gratuitos são uma boa opção de diversão para as crianças. “Em algumas cidades, estes programas são bem comuns”.
  4. Aprenda o quanto sua família come. Qualquer desperdício é prejuízo. “ As famílias brasileiras gastam, em média, 20% e mais do que o necessário”. Para não desperdiçar dinheiro com comida a regra é saber a quantidade correta de alimentos que sua família consome. “Olhe na geladeira e no armário e veja o que estraga todos os dias”.
  5. Divirta-se em casa. Entreter os filhos dentro da própria casa pode representar uma grande ajuda no controle do orçamento mensal. Para se convencer disso, basta fazer uma conta simples: leve cinco crianças ao cinema e compre pipocas para todas. Depois de chegar ao total desta conta, pense quanto custa um pacote de pipoca no mercado e o aluguel de um filme. Pronto! A economia de uma sessão caseira de cinema pode superar 80%.
  6. Em viagens, prefira acomodações com cozinha. Comer fora é sempre mais caro do que preparar sua comida. Ao viajar, ficar em acomodação com cozinha vai dar mais trabalho, mas esse dinheiro economizado pode pagar por passeios extras.
  7. Drible os problemas do temido supermercado. Pior do que ir ao supermercado com fome é levar uma criança com fome junto. Mas não é só a fome que é inimiga do bolso nesta ocasião. “Não saia de casa sem comer e sem alimentar os filhos. Além disso, não basta fazer uma lista de compras, precisa colocar as quantidades corretas de cada produto.
  8. Programe os presentes. Ter disciplina ao presentear crianças é fundamental. Procure não acostumá-las com presentes toda semana, por exemplo, mesmo que de valores baixos . “Faça uma agenda anual e coloque tanto as datas comemorativas nas quais você presenteia os membros da família ou amigos e parentes. Estabeleça uma verba para esses presentes e os compre com antecedência para não correr o risco de pagar a mais na última hora.
Criar bons hábitos desde o nascimento dos filhos é muito saudável e para eles se tornará uma situação normal.

(fonte: Danielle Nordi).

quinta-feira, 10 de maio de 2012

EFEITOS DO LEITE


 
É a história da professora Jane Plant, geoquímica e chefe científica do British  Geological Survey — uma prestigiada instituição pública britânica que se dedica à investigação em matéria de Geologia — pode constituir um significativo exemplo para  muitas mulheres, já que ela sobreviveu a 5 tumores mamários e às práticas médicas convencionais para tratar o câncer


 E fê-lo, segundo ela mesma afirma, de uma forma muito simples, eliminando todos os lácteos de sua dieta. A sua história é parecida à de muitas outras mulheres. Sentiu o mesmo pânico quando lhe diagnosticaram câncer de mama e confiada no bem saber e fazer dos oncólogos submeteu-se a uma mastectomía e à irradiação dos ovários porque lhe disseram que assim provocava-se a menopausa, suprimia-se a produção de estrogénio e se poderia curar o câncer. 


 Mas tudo resultou falso. De facto o câncer reproduziu-se até 4 vezes. Sofri a amputação de uma mama, submeteram-me a radioterapia e a uma quimioterapia muito dolorosa.  Vieram os mais eminentes especialistas do meu país mas no meu íntimo estava certa que estava enfrentando a morte.


    E estive quase a ponto de “atirar a toalha”, conta a professora Plant no seu livro “Your life in your hands” (A Tua Vida Nas Tuas Mãos) onde relata a sua própria experiência e explica  como chegou à ideia que acabou por salvar a sua  vida: Teve origem numa viajem de meu marido à China — conta em sua obra — comecei a pensar que a minha enfermidade era virtualmente inexistente em tal país.


   De fato só uma em cada 10.000 mulheres morre de câncer de mama na China enquanto que só no Reino Unido os números oficiais falam de uma em cada 12.


 Então o meu marido — que também é cientista — e eu mesma, começámos a investigar sobre a forma de vida e alimentação dos orientais até que chegámos à ideia que me salvou a vida: as mulheres chinesas não tinham cáncer de mama nem os homens desenvolviam tumores prostáticos porque são incapazes de tolerar o leite e, portanto, não o tomam. E mais,   sabemos que os chineses são incapazes de compreender a preocupação ocidental por tomar leite de vaca.

 Eles nunca o utilizam e muito menos para amamentar os seus bebés! E se páras para pensar, não pode ser uma simples casualidade que, mais de 70% da população mundial tenha  sido incapaz de digerir a lactose. Hoje creio que a natureza tenta avisar-nos a tempo, de que estamos comendo um alimento errado.


    Quando Jane Plant escreveu tudo isto,     estava a fazer quimioterapia ao seu quinto tumor mamário. E foi então quando decidiu suprimir por completo a ingestão de lácteos, incluindo todos os alimentos que contêm algo de leite: Sopas, biscoitos, pastéis, margarinas, etc. E que sucedeu? — Em só uns dias - refere em seu livro — o tumor começou a encolher.


     Duas semanas depois da minha 2ª sessão de quimioterapia e uma semana depois de haver suprimido o leite e seus derivados, o tumor começou a picar-me. Logo abrandou e  começou a minguar. Umas seis semanas depois havia desaparecido.


   De facto meu oncologista, do Charing Cross — Hospital de Londres, no pôde reprimir  um exclamar maravilhado: “Não o encontro!” quando examinou a zona onde havia estado o tumor.


Pelo visto, não esperava que alguém com um câncer tão avançado — pois já havia invadido o meu sistema linfático — pudesse sobreviver.


Felizmente, aquele oncologista conseguiu superar seu cepticismo inicial e na actualidade, recomenda uma dieta sem lácteos aos seus pacientes.


   Convencida de que deixar de tomar lácteos era o que lhe havia salvado a vida, Jane Plant decidiu partilhar os seus conhecimentos e sua experiência no livro antes mencionado. E de imediato, mais de 60 mulheres afligidas de câncer de mama se puseram em contacto com ela para pedir-lhe conselho.


E seus tumores também desapareceram. 


    Ainda que não tenha sido fácil aceitar que uma substancia tão “natural” como o leite pudesse ter tais repercussões para a saúde —explica Plant — agora não tenho dúvida de que a relação entre os produtos lácteos e o câncer de mama é similar à que existe entre o tabaco e o câncer de pulmão.


       Mas não só isso porque, por exemplo, já em 1989 o Dr. Daniel Cramer da Universidade de Harvard, determinou que estes produtos estão implicados na aparição do câncer dos ovários. E os dados sobre o câncer da próstata conduzem a  conclusões similares.


     A própria Organização Mundial de Saúde (OMS), afirma que o número de homens que padecem deste câncer na China, é de 0,5 por cada 10.000 enquanto que no Reino Unido o número é 70 vezes maior.


      A chave está pois, sem dúvida, no consumo de lácteos.


        Para a professora Plant o leite de vaca é um grande alimento... mas só para os bezerros! E afirma, convencida, que a natureza não o destinou para ser consumido por nenhuma outra espécie! De facto estou convencida —conclui — de que salvei a minha vida por  deixar de consumir leite de vaca.

      Só desejo que a minha experiência possa servir a mais mulheres e homens que, sem o saberem, podem estar, ou virem a estar, enfermos por causa dos lácteos que consomem.


 Em seu livro, para além de detalhes da sua própria experiência e dados interessantes sobre suas  investigações acerca dos efeitos do leite de vaca sobre nossa saúde, reconhecem-se uma série de recomendações nutricionais que se resumem em alimentar-se basicamente de leite de soja, chá de ervas, sementes de sésamo, tofú, nozes, muita fruta e verduras frescas.
Healing Hugs



Always, Jeannette


segunda-feira, 23 de abril de 2012

TODO HOMEM DEVE LER ISSO


"É melhor você ter uma mulher engraçada do que linda, que sempre te acompanha nas festas, adora uma cerveja, gosta de futebol, prefere andar de chinelo e vestidinho, ou então calça jeans desbotada e camiseta básica, faz academia quando dá, come carne, é simpática, não liga pra grana, só quer uma vida tranqüila e saudável, é desencanada e adora dar risada.

Do que ter uma mulher perfeitinha, que não curte nada, se veste feito um manequim de vitrine, nunca toma porre e só sabe contar até quinze, que é até onde chega a sequência de bíceps e tríceps.

Legal mesmo é mulher de verdade. E daí se ela tem celulite? O senso de humor compensa.

Pode ter uns quilinhos a mais, mas é uma ótima companheira. Pode até ser meio mal educada quando você larga a cueca no meio da sala, mas e daí?

Porque celulite, gordurinhas e desorganização têm solução. Mas ainda não criaram um remédio pra FUTILIDADE!!"

"E não se esqueça...Mulher bonita demais e melancia grande, ninguém come sozinho!!"


quarta-feira, 18 de abril de 2012

RELACIONAMENTOS

                                                              Por Analdo Jabor

Sempre acho que namoro, casamento, romance tem começo, meio e fim. Como tudo na vida.
Detesto quando escuto aquela conversa:
- 'Ah,terminei o namoro...
- 'Nossa,quanto tempo?'
... - 'Cinco anos... Mas não deu certo...acabou'
- É não deu...?
Claro que deu! Deu certo durante cinco anos, só que acabou.
E o bom da vida é que você pode ter vários amores.
Não acredito em pessoas que se complementam. Acredito em pessoas que se somam.
Às vezes você não consegue nem dar cem por cento de você para você mesmo, como cobrar cem por cento do outro?
E não temos esta coisa completa.
Às vezes ele é fiel, mas não é bom de cama.
Às vezes ele é carinhoso, mas não é fiel.
Às vezes ele é atencioso, mas não é trabalhador.
Às vezes ela é malhada, mas não é sensível.
Tudo nós não temos.
Perceba qual o aspecto que é mais importante e invista nele.
Pele é um bicho traiçoeiro.
Quando você tem pele com alguém, pode ser o papai com mamãe mais básico; que é uma delícia.
E as vezes você tem aquele sexo acrobata, mas que não te impressiona...
Acho que o beijo é importante...e se o beijo bate... se joga... se não bate...mais um Martini, por favor... e vá dar uma volta.
Se ele ou ela não te quer mais, não force a barra.
O outro tem o direito de não te querer.
Não lute, não ligue, não dê pití.
Se a pessoa tá com dúvida, problema dela, cabe a você esperar ou não.
Existe gente que precisa da ausência para querer a presença.
O ser humano não é absoluto. Ele titubeia, tem dúvidas e medos mas se a pessoa REALMENTE gostar, ela volta.
Nada de drama.
Que graça tem alguém do seu lado sob chantagem, gravidez, dinheiro, recessão de família?
O legal é alguém que está com você por você.
E vice versa.
Não fique com alguém por dó também.
Ou por medo da solidão.
Nascemos sós. Morremos sós. Nosso pensamento é nosso, não é compartilhado.
E quando você acorda, a primeira impressão é sempre sua, seu olhar, seu pensamento.
Tem gente que pula de um romance para o outro.
Que medo é este de se ver só, na sua própria compania?
Gostar dói.
Você muitas vezes vai ter raiva, ciúmes, ódio, frustração. Faz parte.
Você namora um outro ser, um outro mundo e um outro universo
E nem sempre as coisas saem como você quer...
A pior coisa é gente que tem medo de se envolver.
Se alguém vier com este papo, corra, afinal, você não é terapeuta.
Se não quer se envolver, namore uma planta. É mais previsível.
Na vida e no amor, não temos garantias.
E nem todo sexo bom é para namorar
Nem toda pessoa que te convida para sair é para casar.
Nem todo beijo é para romancear.
Nem todo sexo bom é para descartar. Ou se apaixonar. Ou se culpar.
Enfim...quem disse que ser adulto é fácil?
FATO !

sexta-feira, 30 de março de 2012

Como negociar o salário usando táticas do FBI

O FBI (Federal Bureau of Investigation) – agência de investigações do governo norte-americano – publicou um livro no qual mostra algumas técnicas de como transformar uma pessoa comum em um bom negociador. A obra, batizada de “Crisis Intervention: Using Active Listening Skills in Negotiations”, explica como é possível convencer as pessoas, por meio de uma argumentação e postura adequadas.

O especialista em carreira e autor de livros sobre o assunto Jim Hopkinson, por sua vez, transformou as técnicas do FBI em dicas para quem precisa negociar o salário com o chefe ou um futuro empregador.

A seguir, veja três dicas de Hopkinson, divulgadas em sua coluna na versão online do jornal The Wall Street Journal, de como obter sucesso na hora de negociar o salário:

Colha informações


Um bom agente do FBI, assim que chega na cena do crime, se preocupa em avaliar toda a situação. No caso de um profissional em busca do salário ideal, isso significa que ele precisa analisar todo o cenário à sua volta, antes de sentar na mesa de negociações. “Isso inclui entender exatamente quanto as suas habilidades valem para a posição”, aconselha o especialista. Isso, segundo ele, pode ser feito pedindo ajuda para colegas e para a rede de contatos profissionais e por meio de pesquisas em sites que divulguem salários e informações de carreira.

Mostre confiança

O segredo para conseguir uma negociação favorável é também parecer alguém confiável. “Você pode fazer isso ao construir um diálogo agradável com a outra pessoa, ouvindo atentamente a proposta dela, entendendo sua posição e estando preparado para usar dados que o ajudem a suportar seus argumentos”, sinaliza. Uma dica é utilizar informações de pesquisas realizadas por fontes confiáveis de mercado e que, dessa forma, evitem a sensação de algo pessoal.

Permaneça calmo

“Não importa quão maluca fique a situação, um negociador de resgate [do FBI] sempre se mantém calmo, atento e positivo. O mesmo vale para discussões de salário”, afirma Hopkinson. Para ele, mesmo que o profissional descubra que outras pessoas que fazem o mesmo que ele ganham muito mais, deve evitar atitudes explosivas. “Entrar no escritório do chefe exigindo um aumento ou ameaçando ir embora, raramente, fará com que você alcance seu objetivo”, complementa.

O especialista lembra que qualquer negociação de dinheiro tende a ser tensa e estressante. Mas ela sempre precisa ser tratada pelos profissionais como apenas uma transação comercial, com o mínimo de envolvimento pessoal possível.




sexta-feira, 23 de março de 2012

Os brasileiros hoje todos choramos... mas choramos de rir...

Obrigado Chico...

quinta-feira, 1 de março de 2012

Frase

“A paixão não faz com que tudo seja fácil, mas faz com que tudo seja possível.”
 Paulo Coelho